O ICMS Sobre Serviços de Transporte Intermunicipal de Cargas Destinadas à Exportação no Estado de São Paulo

Após a vigência do Decreto nº 53.361/2008 do Estado de São Paulo, em 1º de setembro de 2008, os agentes do Fisco Estadual têm exigido o recolhimento do ICMS incidente sobre o Serviço de Transporte Intermunicipal. Isto porque a norma revogou o disposto no artigo 139 do Anexo I do Decreto 45.490/00 – RICMS, que previa a isenção do tributo estadual nas operações de transporte intermunicipal de cargas.

Tal fato tem feito com que empresas transportadoras efetuem o recolhimento do ICMS incidente sobre os serviços de transporte de cargas intermunicipais, mesmo quando o objeto da prestação é destinado à exportação, repassando o impacto financeiro às contratantes, empresas exportadoras.

Entretanto, as operações de transporte intermunicipal de cargas destinadas à exportação estão imunes à incidência do ICMS por força do artigo 155, inciso X, alínea a da Constituição Federal, inserto pela Emenda Constitucional nº 42/03.

O dispositivo, jungido à preceito constitucional limitador da competência tributária estadual, tem por escopo incentivar as exportações, diminuindo a carga tributária dessas operações, a fim de atingir ao fim pretendido pelo poder constituinte derivado, que é o saldo positivo da balança comercial, partindo do pressuposto de que “não se exporta tributo”.

A desoneração, constitucionalmente assegurada, independe de qualquer previsão legal ou infra-legal, posto que, conforme já asseverado, limita a competência tributária estadual para instituir tributos sobre as operações previstas, razão pela qual, inexiste qualquer óbice em aplicá-lo sob o manto da falta de regulamentação.

Com efeito, a corroborar com a não-incidência do ICMS sobre o serviço de transporte intermunicipal de cargas destinadas à exportação, a Lei Kandir (LC 87/96), em seu artigo 3º, inciso II, isentou do tributo as prestações de serviços que destinem mercadorias ao exterior.

Portanto, não há incidência do ICMS sobre o transporte de cargas destinadas à exportação.

A fim de assegurar o exercício do direito à imunidade e evitar apreensões de mercadorias em postos fiscais, é aconselhável às empresas transportadoras formular consulta junto à Fazenda Estadual, objetivando ver declarado seu direito ao não recolhimento do ICMS sobre o serviço de transporte de cargas destinadas à exportação.

Vale ressaltar que a formulação da consulta desobriga o consulente do recolhimento do tributo questionado enquanto não decidido o procedimento, suspendendo sua exigibilidade, bem como que, eventual desacolhimento da tese submetida ao Fisco estadual, implica apenas e tão somente na obrigação de recolher os valores sem quaisquer juros, multa ou correção monetária.

No caso de empresas já terem recolhido o ICMS sobre estas operações, pode-se buscar também a compensação destes valores com parcelas futuras do tributo incidente sobre outras operações tributadas.

 

 

 

 

About these ads

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: